sexta-feira, 2 de janeiro de 2015

Não pedi desculpa

Eu sou muito zen, pacífica e odeio ser mal educada ou chatear-me. Mas hoje, hoje passei-me com uma colega de trabalho. 
Estava eu a confirmar se os 55 (cinquenta e cinco!) meninos estavam todos ao pé de mim e das restantes professoras para voltarmos para o centro, e uma motorista estava a tentar dizer-me que precisava de levar 8 e tudo o mais e raça que sei lá mais o quê. Passei-me. Respondi torto. E quando ela disse: já é a segunda vez que tento dizer-te... Eu disse: espera! Eu sou uma só,  estou a fazer contagem, ninguém sai sem eu confirmar e vais esperar que eu confirme e depois ouço,  agora espera e deixa-me.

Fiquei irritada durante um bom bocado. Detesto que não entendam que o prioritário é ter a certeza que os miúdos estão todos ali e não ficou nenhum na atividade. Detesto que me interrompam quando garanto que estão todos bem. Detesto que me façam perder a paciência. E eu sou paciente. 

Ela estava preocupada com o seu horário pois quanto mais tempo eu demorasse a dar-lhe 8 das crianças mais tarde chegava a casa.  Eu também tinha horário. 

Mas não pedi desculpa. Não quis saber. 

Ainda estou irritada.

3 comentários:

Tulipa Negra disse...

Fizeste tu muito bem! Tenho uma irmã com 8 anos e espero que a professora dela também se preocupe mais com o bem-estar da criança do que em cumprir horários. Já trabalhei com crianças e sei que apesar de ser muito gratificante também é muito exigente e, na maioria dos casos, temos de colocar as necessidades das crianças à frente das nossas.

Lea disse...

Ui! Isso é que foi começar bem o ano!!
Eu comecei apenas com 16 dos 80 miúdos...foi um dia calminho!
Para a semana é a sério; de volta à rotina:)

Ana Rita disse...

Acho que fizeste muito bem! É obvio que ninguém gostar de ter de ficar mais tempo no trabalho mas temos que saber ver o que é mais importante!